Você sabe o que é uma doula?

Doula é a mulher que dá suporte físico e emocional a gestante, seja antes, durante ou depois do parto.

É um resgate de uma cultura antiga onde as gestantes contavam com o suporte de mulheres mais experientes, geralmente da própria família. Isso se perdeu com um sistema cada vez mais tecnocrático e centrado no médico e hospital.

A doula não faz (ou não deveria fazer) nenhum procedimento técnico como exame de toque, aferição de pressão arterial, ausculta dos batimentos do bebê etc.

Ela orienta o casal no pré parto sobre como são os procedimentos padrão, ajuda a escrever o plano de parto, que nada mais é que um roteiro das vontades e expectativas dessa gestante diante das fases do parto, e ajuda na preparação emocional. A doula é a primeira pessoa a ser acionada no início do trabalho de parto, podendo ir a casa da gestante nessa fase inicial que pode levar horas até engrenar. Nesse período ela vai ajudar a gestante com massagens, exercícios e posição de alívio a dor e tem um importante papel de amenizar a ansiedade do casal. Ela indica, baseada na evolução do trabalho de parto a melhor hora de ir para o hospital ou de acionar a equipe de parteiras ou obstetra.

Durante a fase ativa do parto, a assistência é uma continuação do que já havia começado antes, até o nascimento do bebê.

A doula também auxilia no pós parto, geralmente com uma visita domiciliar após alguns dias do nascimento, com possíveis dúvidas sobre amamentação e mais do que nunca presta apoio psicológico nesse período tão difícil que é o puerpério.

Minha experiência foi maravilhosa. Já rolou uma empatia desde o primeiro encontro com minha doula, que foi indicação de uma amiga. Sim, é muito importante existir uma química entre as partes visto que será essa pessoa que te acompanhará nas horas mais intensas e difíceis dessa jornada.

Depois de muitas horas, quando eu já achava que já não daria mais, ela sempre se mostrou confiante e me passou esse sentimento. Foi fundamental e tenho gratidão eterna a ela.

As vantagens de contar com uma doula são imensas e apontadas em diversos estudos como:

“O apoio físico e empático contínuo oferecido por uma única pessoa durante o trabalho de parto traz muitos benefícios, incluindo um trabalho de parto mais curto, um volume significativamente menor de medicações e analgesia epidural, menos escores de Apgar abaixo de 7 e menos partos operatórios.”

Fonte: ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. OMS. Maternidade segura. Assistência ao parto normal: um guia prático. Genebra: OMS, 1996

  • Redução de 25% na duração do trabalho de parto
  • Redução de 50% nos índices de cesariana
  • Redução de 60% nos pedidos de analgesia peridural
  • Redução de 30% no uso de analgesia peridural
  • Redução de 40% no uso de ocitocina
  • Redução de 40% no uso de fórceps
  •  Aumento no sucesso da amamentação
  •  Interação satisfatória entre mãe e bebê
  • Satisfação com a experiência do parto
  • Redução da incidência de depressão pós-parto
  • Diminuição nos estados de ansiedade e baixa auto-estima

Para finalizar, gosto muito dessa frase do médico John H. Kennell pois resume em poucas palavras a experiência de contar com uma doula: “Se a doula fosse um remédio seria antiético não receitar”.

Fontes:

 

Klaus M, Kennel J. “Mothering the mother: how a doula can help you to have a shorter, easier and healthier birth.” Hardcover. Sosa R, Kennel JH, Klaus MH, Roberteson S, Urrutia J. “The effects of a supportive companion on perinatal problems, length of labor, and mother-infant interaction.” N Engl J Med 1980 Sept.; 303:597-600.
Garcia C. “The eigth Doula study: social support during birth in Mexico.” Conference proceedings of Doula of North America, Austin, TX, June 20, 1997, 89-93.
Hofmayer J, et al. “Companionship to modify the clinical birth envoirment: effects on progress and perceptions of labor and breast-feeding.” Br J Obstet, 98:756-764, 1991.
Landry SH, et al. “Effects of Doula support during labor on mother-infant interaction at two months.” Pediatric Res, 43:13A, 1998.
Wolman WL, et al. “Postpartum depression and companionship in the clinical birth envoirment: a randomized, controlled study.” Am J Obstet Gynecol, 168: 1388-1393, 1993.

 

Author

Doula e Consultora em Aleitamento Materno

Comments are closed.