Um dos maiores mitos do parto normal é que a vagina fica ”larga“ com a passagem do bebê. Infelizmente isso é um equívoco enorme visto que nosso corpo foi perfeitamente desenhado para isso.

Embora a episiotomia de rotina seja considerada violência obstétrica, ela é muito comum no Brasil. Consiste em cortar cirurgicamente o períneo, esse músculo do assoalho pélvico que envolve a vagina e ânus, com o intuito de supostamente facilitar a saída do bebê. Porém as evidências científicas mostram o contrário. A grosso modo, uma possível laceração natural é melhor que um corte cirúrgico. Profissionais que trabalham baseados em evidência científica não fazem episiotomia há anos.

Mas então é possível a combinação entre parto normal e períneo íntegro, sem laceração ou epsiotomia? SIM!

Felizmente podemos contar atualmente com técnicas e procedimentos para o fortalecimento e alongamento desse músculo, tão importante na gestação, parto e pós parto.

Com cerca de 28 semanas comecei a fazer massagens na região com óleo vegetal uma vez ao dia. Incluir algo tão simples na rotina da gestante traz inúmeros benefícios.

Com 32 semanas passei por uma consulta com uma fisioterapeuta especializada em RPG e saúde perineal na gestação e iniciei os exercícios com o epi-no.

O epi-no é um aparelho em formato de balão que deve ser inserido na vagina e inflado a fim de melhor preparar a gestante para a hora do parto. É possível comprar ou alugar o aparelho. O exercício deve ser feito diariamente, de preferencia até quando a gestante conseguir. A ideia é ir evoluindo e aumentando aos poucos o diâmetro do balão.

Segundo a fisioterapeuta Roberta Thorlay, o uso do epi-no é muito importante para que a gestante tome consciência da musculatura do assoalho pélvico. É muito comum ela não saber aonde está o músculo exatamente, além da perda da função também ser muito encontrada na maioria das pessoas. Por se tratar de um músculo estriado esquelético, ele poderá ser fortalecido (início da gestação) e alongado (final da gestação) como qualquer outro músculo do corpo. Músculo saudável é um músculo forte, porém alongado, e é aí que o epi-no se faz muito importante. Fazendo com que o músculo possa alongar o suficiente no momento do parto e que possa retornar como um elástico na recuperação do parto, evitando futuros problemas. A propriocepção do músculo simulando o período expulsivo do parto torna a “dor” consciente e mais aceitável, gerando menos ansiedade, menos medo do desconhecido, maior controle da situação, consequentemente menos dor, aumentando a probabilidade de um resultado positivo para essa musculatura ao final do parto.

O uso do epi-no não é uma garantia de períneo íntegro e por ser algo relativamente novo, há poucos estudos sobre o tema (link abaixo). Porém acredito que a consciência corporal e alongamento que o aparelho proporciona, faz valer a pena o seu uso.

Consegui fazer os exercícios até 2 dias antes do meu bebê nascer e digo que foi essencial para meu preparo, minha conscientização corporal em relação aquela região do meu corpo. Não tive laceração. Super recomendo.

 

Referencias:

http://www.casamoara.com.br/single-post/2011/06/21/Per%C3%ADneo-o-parto-n%C3%A3o-%C3%A9-o-vil%C3%A3o

 

http://estudamelania.blogspot.com.br/2012/08/estudando-episiotomia.html

 

http://www.epi-no.com.br/wp-content/uploads/2014/02/Estudo-Prepara%C3%A7%C3%A3o-para-o-parto-com-um-novo-dispositivo-de-treino.pdf

Author

Doula e Consultora em Aleitamento Materno

Comments are closed.