O mundo está disposto a te empurrar uma lata de leite. A maternidade, o pediatra, sua família, seus amigos, seu chefe… E sabe o que é pior? Eles nem sabem o porquê. Estão inseridos nessa cultura pragmática.

Falar sobre os infinitos benefícios do leite materno frente ao leite artificial é chover no molhado. A cada dia mais estudos e evidências científicas nos provam o quão determinante é para a saúde de uma criança agora e no futuro. Fora isso, peito não é só alimento para o corpo. É alimento para alma também. Peito acalma, aconchega, dá calor e segurança. Mesmo assim, se você deseja que tudo seja da maneira mais simples e natural possível, por mais absurdo que seja (e é!), você precisa brigar. No hospital para que não deem NENHUM complemento, para que não o levem pra longe de você (não, a mãezinha não quer descansar, obrigada), para que o pediatra desatualizado não venha com esse papo de complementação com uma semana de vida sem ao menos se dar ao trabalho de observar uma mamada, além orientar mamadas cronometradas a cada 3 horas, para que os palpites dos amigos e familiares não abalarem seu estado já muito sensível (Nossa! Esse bebê não larga o peito! Acho que seu leite é fraco). Cansa brigar no momento em que você mais precisa de gentileza do mundo…

Não, não é fácil. Pelo menos no início não foi pra mim. Assim como me preparei e estudei muito para o parto, fiz o mesmo em relação a amamentação. Fiz redução de mamas na adolescência e esse medo de não conseguir me acompanhou a gestação inteira. Para nossa alegria, meu filho mamou profissionalmente nos primeiros instantes de vida por uns 40 minutos. Nossa… Que alívio! Conseguimos filho. Amamentação não será um problema. #SQN

Assim que chegamos em casa e o leite desceu, meu seio ficou enorme, duro e ele simplesmente não conseguia pegar. Era como tentar mamar numa bexiga quase explodindo sem bico. Ele não ganhou peso na primeira semana, e se eu não tivesse uma rede de apoio muito boa do meu marido e pediatra, com toda certeza do mundo ele teria ido para o complemento. Procuramos ajuda de uma consultora e em dois dias resolvemos esse problema, digamos “anatômico”. Foram dois dias de translactação* e no terceiro dia tudo estava no lugar. Isso não quer dizer que depois não doeu, que não chorei, que não fiquei exausta. Mas nada que um mês depois eu me lembrasse.

O desafio seguinte foi a volta ao trabalho. Quando voltei ele já tinha 6 meses e já tinha começado a comer sólidos. Eu precisava garantir leite para duas mamadas na creche. Aluguei uma máquina dupla e tirava leite para ele consumir no dia seguinte. Por sorte tive muita compreensão do meu chefe para que por alguns meses, eu pudesse me ausentar por 20 minutos duas vezes ao dia. Foi uma fase bem cansativa. Vivi uma relação de amor e ódio por aquela máquina rs. Aos poucos aquele leite durante o dia começou a sobrar e naturalmente fomos para um esquema de mamar só de manhã e noite. Seguimos até hoje, 1 ano e 5 meses, com ele mamando geralmente de manhã, não todos os dias. Sinto que o desmame está chegando de forma respeitosa para ambos os lados, visto que a amamentação precisa ser legal para os dois.

A principal mensagem que quero deixar aqui é que se você está disposta, vale muito a pena. E se você não está, tudo bem também. Muitas mulheres são muito bem resolvidas com suas escolhas e é assim que tem que ser. Para as que desejam e passam por dificuldades, procurem ajuda! Acreditem, sai muito mais barato uma consultora do que meses de leite artificial. Abstraiam os palpites, consultem um profissional realmente disposto e amigo da amamentação. Existem ótimos grupos virtuais de apoio. Busquem experiências positivas. É muito provável que não exista nada de errado com você e seu bebê, esses casos são exceções e que bom que temos alternativas hoje em dia para eles. Se tantas mulheres têm “defeito” como nos fazem acreditar, como a humanidade chegou até aqui?

Referências sobre o tema:

  • Livro: Manual prático de aleitamento materno. Autor: Carlos González

http://www.editoratimo.com.br/#!product-page/c1u5r/ba2e9deb-bc65-4e7d-23a5-164f1afd89a5

  • “Sobre a Nestlè e a Sociedade Brasileira de Pediatria” por Dra Ana Paula Caldas

https://www.facebook.com/orenascimentodoparto/photos/a.216510765141023.47583.216239221834844/588283401297089/?type=3&theater

  • Série de textos da Semana Mundial Aleitamento Materno por Dr Daniel Becker

http://pediatriaintegral.com.br/amamentacao-no-seculo-xxi-capitulo-i-2/

http://pediatriaintegral.com.br/amamentacao-no-seculo-xxi-capitulo-ii/

http://pediatriaintegral.com.br/amamentacao-no-seculo-xxi-capitulo-iii/

http://pediatriaintegral.com.br/amamentacao-capitulo-iv-a-armadilha-da-mulher-maravilha/

http://pediatriaintegral.com.br/amamentacao-no-seculo-xxi-capitulo-v/

 

  • Grupo Virtual de Amamentação:

https://www.facebook.com/gvamamentacao

  • Sobre bicos artificiais:

http://www.cientistaqueviroumae.com.br/blog/textos/chupeta-o-que-toda-mae-e-pai-deveria-saber-antes-de-oferecer-uma-para-seu-bebe-por-andreia-stankiewicz

  • *Translactação:

http://www.geracaomae.com.br/amamentacao/relactacao-e-translactacao-quando-e-necessario

Author

Doula e Consultora em Aleitamento Materno

Comments are closed.